Pés congelados e luzes no céu: a aurora boreal (Tromso, Noruega)

Em uma noite clara e muito fria, sem lua, olhos e câmeras focam o escuro. Sem avisar, algo lá em cima se move.” — Gleice conta sua experiência com a aurora boreal e a cidadezinha de Tromso, no norte da Noruega.

Para alguém que nasceu e sempre viveu no trópico quente e úmido, a vida próxima aos polos é um mistério. Por isso foi inusitado que, em janeiro de 2012, de repente nos descobríssemos em Tromso, Noruega. Em algum momento entre agosto e setembro de 2011 a ideia tomou corpo e, no começo do ano, após passarmos por Oslo, entramos em um voo de 4 horas em direção ao norte…

Aurora Boreal

Céu verde e muito frio (foto de Milly McCourt)

Estávamos perto do meio dia, e logo ficou claro que a paisagem lá embaixo perdera as cores, se transformando em um mar de brancos… Não demorou muito e o sol se pôs, pouco depois das 14 horas. Aterrissamos em Tromso às 16 horas, já noite fechada! Passamos uma semana numa cidade de contos de fadas à beira mar, onde o sol nunca apareceu de verdade. Às 11h aumentava a luminosidade do céu, como se o dia fosse enfim começar; às 14h aquela pouca claridade sumia e começava a noite; as luzes das ruas nem mesmo chegavam a se apagar.

Temperatura: zero graus e descendo; menos 16 graus às 21h, e descendo… Entre 21h e 02h, o momento ideal para o grande desafio: procurar a aurora boreal… Até o encontro definitivo foram várias tentativas, explicações dos mais diversos tipos (desde as totalmente científicas até as inteiramente místicas) e alguns shows de luzes de intensidades diferentes. Fazenda de cachorros, passeio de trenó, a aventura com os caçadores de auroras boreais à bordo de uma van, percorrendo estradas escuras em um lindíssimo litoral rochoso, recortado e coberto de neve.

Aurora Boreal

A dança no céu (foto de Milly McCourt)

A experiência, em si, é fantástica, inesquecível. Em uma noite clara e muito fria, sem lua, olhos e câmeras focam o escuro. Sem avisar, algo lá em cima se move. Sentimos que as estrelas se apagam. Fachos luminosos começam a atravessar o céu, algumas vezes suaves, outras vezes agressivos. Traçam retas e curvas, rodopiam. A exótica dança das luzes ocupa o espaço, magnetiza; ao mesmo tempo em que nos sentimos parte do universo, tomamos consciência da nossa pequenez frente a ele.

O frio aumenta, os pés congelam, o nariz escorre, mas muitas pessoas se deitam na neve para não perder nenhum detalhe do show. Uma experiência sensorial única; um recado etéreo do universo, escrito em linguagem mágica.

Esse foi o destino inesquecível de Gleice. Você já fez uma viagem mágica? Conta para a gente!

Continue organizando sua viagem:

- Encontre o hotel perfeito para a sua viagem
- Não corra riscos e contrate um seguro de viagem
- Ganhe tempo e garanta seu ingresso para algumas das atrações mais concorridas do seu destino
- Vai precisar de carro? Compare as empresas de aluguel de carro disponíveis no mercado

Leave a Reply

África Américas Ásia Europa Noruega Oceania
Viajar sozinho também pode ser inesquecível.
Viajar sozinho: inspiração para encarar essa aventura!
Boekhandel Selexyz Dominicanen, Maastricht, Holanda.
As 10 livrarias mais bonitas do mundo
Doces franceses que você precisa provar
Hora do doce: cinco doces franceses que você precisa provar
Como arrumar sua mala
Como planejar uma viagem: arrumando as malas
dinheiro
Como planejar uma viagem: como levar dinheiro
Como planejar uma viagem: fechando o roteiro
Hotel
Como planejar uma viagem: hospedagem
Guia de Paris: 10x10 Paris
Guia de Paris: 10×10 Paris
Guias de Viagem
Guias de viagem para inspirar e organizar sua próxima aventura
Mini Guia: Roma
Mini Guia: Roma
Mini Guia: Berlim
Mini Guia: Berlim
10 Compart.
Compartilhar10
Twittar
Pin
+1
WhatsApp
Email